MÁS NOTICIAS
La Real Unión de Criadores de toros de Lidia genera una bolsa de empleoAlbacete, un Ferión: máximas figuras, alternativa de lujo, revelaciones y una ‘monstruo’ en homenaje a su aficiónLa corrida de Samuel Flores de la próxima Feria de Albacete: un cartel de plena justiciaSamuel Navalón, una alternativa de campanillas en Albacete: el cartel de lujo en el que se doctoraráUna corrida ‘monstruo’ como epicentro de la Feria de Albacete: el cartelazo que ha cerrado la empresaOrejas para Alcolado y Pérez en el ecuador de la novillada mixta de HoguerasSiga en directo la novillada de AlbarrealCarteles de las novilladas de promoción de julio en SevillaFallece a los 88 años el ganadero y empresario malagueño José Luis Martín LorcaToros en Telemadrid: las tres interesantes corridas que retransmite en los próximos días y cómo verlasEstos son los carteles de la 37ª edición de las Novilladas de Promoción de Sevilla 2024Jarocho y su alternativa en la Feria de San Antolín de PalenciaFrancisco José Espada, con el claro objetivo en su destino: Las VentasOrden de lidia de los novillos de Albarreal para SevillaJuan de Castilla: «La del domingo en Madrid es una tarde para ir con el cuchillo entre los dientes, pero con la cabeza fría»Las novilladas de promoción 2024 en La Maestranza ya tienen cartelesEl amargo trago de El Cid (y ni una palabra más alta que otra)Gran triunfo en las dos clases prácticas celebradas en AlicanteEspada regresa este domingo a Las VentasLa Feria de Hogueras: pulmón taurino del Levante
21 junio 2024

.

Vila Franca foi praça cheia na tarde de glória dos Maestros

Miguel Alvarenga – Tão cedo não os vamos voltar a ver todos juntos num mesmo cartel – a não ser que haja algum empresário ousado e arrojado que tenha o bom senso de repetir este maravilhoso elenco de glórias que ontem marcou a temporada na «Palha Blanco»! Espero que sim! Pense nisso, meu caro Ricardo Levesinho – e feche a temporada em Vila Franca com uma apoteose igual aquela com que a abriu ontem.

Tão cedo, também, – repito e não me cansarei de insistir – não vamos voltar a ver nada igual ao que todos testemunhámos ontem na praça de Vila Franca, no festival comemorativo dos 90 anos do grande Grupo de Forcados da cidade, a favor da obra da sua Casa-Museu.

João Moura, Paulo Caetano, António Ribeiro Telles, Rui Salvador, Luis Rouxinol e João Salgueiro, mais o novo Bastinhas, fizeram recordar o passado – de glória e com tanta história! – numa tarde cheia de emoções e de bom toureio, para cujo sucesso muito contribuiu o jogo excelente dado pelos sete toiros da ganadaria de Paulo Caetano, bravos, com teclas, a impôr e a exigir, de apresentação q.b. para um festival e eu diria mesmo que para uma corrida formal, sem o exagero dos «milhares de quilos» a que fomos habituados pelo objectivo comercial dos empresários de hoje em dia. Noutros tempos, nos tempos de Mestre Núncio, de Batista e Veiga e tantos mais, os toiros tinham estes pesos dos de ontem – e não foi por isso que o toureio a cavalo deixou de viver nessas épocas, muito pelo contrário, os seus anos de ouro! Tomem nota disto.

Não me vou alongar muito na descrição e apreciação das actuações dos Maestros – porque não é preciso. Cada qual no seu estilo, recordando a história e o passado que aqui escreveram e aqui deixaram, estiveram ontem simplesmente magistrais, sem nadinha a apontar, com toiros que apertaram e que exigiram, repito, sem a comodidade dos outros que muitas figurinhas dos dias de hoje exigem.

Moura é sempre Moura e o único senão é mesmo estar demasiado gordo. Digo-o pelo seu bem. É urgente e necessário que se cuide (os filhos e os amigos, entre os quais tenho orgulho de me contar, que o obriguem a fazer uma dieta a sério, antes que um dia tenhamos todos que lamentar uma tragédia…). Continua a tratar os toiros por tu e ontem deu mais uma lição de como se toureia e se brega. Incrível! Maestro dos Maestros, primeiro de todos há tantos anos!

Paulo Caetano teve sempre, e nunca vai deixar de ter, o dom de tudo fazer com uma arte e um temple que continuam a ser um verdadeiro compêndio de como se toureia bem e com gosto. Com o cavalo «Campo Pequeno» deliciou tudo e todos e deu, também ele, uma profunda lição de como se toureia a cavalo. Pena não tourear mais. Porque está cada vez melhor, como Vinho do Porto – e continua a fazer falta!

António Ribeiro Telles é, destes antigos e a par de Rouxinol, aquele que permanece em actividade com maior assiduidade em todas as temporadas – e os anos não passam por ele. Esteve, como sempre, em grande plano de maestria, a entrar pelo toiro dentro, cravando de alto a baixo e ao estribo com essa verdade e esse rigor, esse aprumo também, de quem escreveu e fez história nos anais da nossa Festa.

Rui Salvador e os «ferros impossíveis». Pena que o cavaleiro de Tomar tenha ontem toureado pela última vez nesta temporada, depois de anunciar que a suspendia para só regressar em 2024 comemorando 40 anos de alternativa e despedindo-se das arenas – em alta, como ontem o demonstrou. Esteve brilhante a lidar e a cravar, emocionando e empolgando, como é seu timbre.

Luis Rouxinol continua a não saber estar mal. Protagonizou lide triunfal, sobretudo com o cavalo «Douro», com requintes de bom gosto e a emoção de sempre, galvanizando o público com a sua eterna maestria, terminando com um arrojado par de bandarilhas, a marca da casa, que não resultou à primeira, mas foi empolgante à segunda.

João Salgueiro trouxe ontem a Vila Franca a magia dos seus tempos de glória com aqueles ferros temerários que páram os corações de todos nós e causam arrepiantes calafrios na bancada, parecia ele que tinha outra vez vinte anos. Lide de valor tremendo e emoção «à Salgueiro» – como sempre. Oxalá volte a tourear mais esta temporada – porque esta emoção e esta verdade são também, como toureio de arte de Caetano, coisas que fazem falta à Festa! E que, infelizmente, estão cada vez mais desuso…

Fechou praça, representando seu saudoso pai (sempre presente nas suas vibrantes actuações) neste naipe de antigos Maestros, o irrequieto e sempre inesperado Marcos Bastinhas, que foi esperar o toiro à porta dos sustos e desenhou a seguir uma lide empolgante, rematada e onde tudo foi perfeito, desde os dois ferros compridos em terrenos apertados e a deixar vir o toiro, aos emotivos curtos cravados também em terrenos de grande compromisso, no sítio que assusta, o sítio de verdade. Brega excelente e em permanente contágio com o público, alegre e comunicativo, terminando «à pai» com o par de bandarilhas e o emblemático salto do cavalo e a praça toda de pé!

Nota alta para as intervenções de todos os bandarilheiros membros das quadrilhas dos sete cavaleiros, sem excessos de capotazos, com arte e maestria de todos eles.

Melhor que isto era mesmo impossível e tão cedo não vamos ver uma corrida assim (foi um festival, mas teve o esplendor de uma corrida). A tarde de ontem, marcada ainda pelas sete apoteóticas pegas dos antigos Forcados de Vila Franca, a que já aqui me referi em pormenor, foi, não restam dúvidas, a tarde da temporada. Muitas mais hão-de vir – mas sem Maestros como estes! E sem uma história, uma emoção e um glamour como aquele que ontem recordou o passado e encheu as medidas a todos os aficionados que estiveram na «Palha Blanco» quase cheia.

Lara Gregório de Oliveira foi a competente directora de turno, assessorada pelo conceituado médico veterinário Jorge Moreira da Silva e o festejo esteve presidido, no camarote que outrora foi Real, pelo presidente da autarquia Fernando Paulo, pelos autarcas da Junta de Freguesia e pela embaixadora de Espanha, que honrou a Tauromaquia lusa associando-se a esta grande festa.

Ao início, com os Forcados de Vila Franca e emoldurar a arena encostados à trincheira, realizou-se uma cerimónia de entrega de lembranças aos artistas participantes e depois, nas cortesias, guardou-se um respeitoso minuto de silêncio em memória do forcado vilafranquense António Tomás Pereira e do Comendador Rui Nabeiro, que recentemente nos deixaram.

Fotos M. Alvarenga

Read Morehttp://farpasblogue.blogspot.com/